domingo, 31 de janeiro de 2016

Ciências na educação pré-escolar

A atividade de ciências que o prof. Luís veio fazer ao nosso JI (uma sequência de experiências relacionadas com fenómenos de reação de diferentes substâncias e de comportamento de materiais perante um íman) deu o pontapé de saída às experiências que vamos fazendo na sala de atividades, desde aí. 
Desta vez, voltámo-nos para atividades sobre a Água - prever, experimentar e observar o que acontece ao volume e à forma da água contida num recipiente quando esta é transferida para outro.
Depois observamos vários recipientes com formas diferentes, avaliamos se continham mais, menos ou a mesma quantidade de água.
Depois, antes de vertermos a água contida em cada um deles em copos de medida e forma igual, registamos as nossas previsões.
Refletimos sobre a adaptação da água aos diferentes recipientes e a conservação da sua quantidade...

E concluímos que:
  • A água não tem forma própria, adapta-se à forma do recipiente em que está contida
  • A mesma quantidade de água pode atingir alturas diferentes, dependendo do recipiente onde é colocada
  • Quando se muda a água de recipiente para outro, a quantidade (volume) não se altera
Conforme referem Zabala e Arnau (2007) em idade pré-escolar, as crianças estão predispostas para aprendizagens de ciências, cabe aos(às) educadores(as) conceber e dinamizar atividades promotoras de literacia científica, com vista ao desenvolvimento de cidadãos mais competentes nas suas dimensões pessoal, interpessoal, social e profissional (cit. in Despertar para a Ciência, DGIDC, 2009).

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Não faz mal ser diferente!

Ontem exploramos o livro "Não Faz Mal Ser Diferente", de Todd Parr e chegamos a várias conclusões, todas elas interessantes. 

Depois de enumeramos algumas  das nossas caraterísticas, percebemos que somos todos diferentes e isso não tem mal nenhum. Até é bom!
Cada um de nós é especial e importante precisamente por ser quem é! 
Vimos também que, fora da nossa escola, pelo mundo inteiro, há pessoas com diferenças ainda maiores. E isso deve enriquecer-nos mais, em vez de nos dividir
E assim, vamos trabalhando (a par de outras coisas) o aspeto SOU, do Projeto de Departamento Pré-Escolar do Agrupamento.

Outra coisa que descobrimos é que o autor do livro, o Todd Parr, apresenta uns desenhos muito interessantes, com cores fortes e contrastantes.
Então decidimos experimentar fazer como ele.

Começamos por desenhar, a preto, o nosso auto retrato...
 Depois pintamos com cores fortes e contrastantes...
 E o resultado foi este!


sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Despertar para a Ciência!

Ontem tivemos uma agradável surpresa. 
As professoras bibliotecárias do nosso agrupamento vieram ao JI com o prof. Luís para fazer experiências connosco!


De facto, estudos realizados, sobretudo nas últimas décadas, têm permitido sistematizar os processos de aprendizagem de ciências de crianças pequenas e reforçar a sua necessidade desde cedo, de preferência de forma intencional já em idade pré-escolar (Harlen, 2006; deBóo, 2000), assumindo-se a educação em ciências como promotora da literacia científica (in, Despertar para a Ciência, DGIDC).

Estivemos todos muito atentos, colaborantes e responsivos. 



É bem verdade que as atividades das crianças estão, desde muito cedo, recheadas de ciência: quando a criança puxa ou empurra um objeto, quando chuta uma bola com mais ou menos força, quando anda de baloiço, quando desce o escorrega, quando brinca na banheira com brinquedos que flutuam na água, quando se observa em espelhos diferentes, quando coloca brinquedos em posição de equilíbrio, quando enche e esvazia recipientes com água, quando faz construções de areia,... [...] sobre estas e muitas outras situações as crianças constroem explicações, que muitas vezes não correspondem ao conhecimento científico atual, mas que têm lógica para si [...] (ME, dgidc, 2009)

Mais tarde, estas explicações hão-de constituir pontos de partida para novas aprendizagens, confrontando-as com outras, num processo conducente à sua (des)construção.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Deixou de chover? Esporões, aí vamos nós!

Este ano a chuva não nos tem deixado ir cantar as janeiras.
Mas nem por isso o entusiasmo decresce. Já fizemos as coroas de reis e com isso tivemos uma boa oportunidade para treinar a coordenação óculo-manual, através do recorte e da colagem de pequenos papéis metalizados.


- Professora, tenho uma ideia - disse a Beatriz. Podemos ir cantar as janeiras com aquelas coisas que temos lá fora? (hall do JI) - disse, apontando com o dedo para a porta da sala.
- E o que é temos lá fora?
- Guarda-chuvas! Podemos ir cantar com os guarda-chuvas!
Bom... conversa vai, conversa vem, chegámos à conclusão de que era mesmo melhor esperar por dias de sol. É que os guarda-chuvas não protegem o corpo todo nem evitam as tentações de chapinhar nas poças de água ;-)
Assim até tínhamos mais tempo para aprimorar as nossas coroas e fazer alguns instrumentos musicais.


Mas agora que o sol vai mesmo espreitar um bocadinho... Esporões, aqui vamos nós!

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

É tempo de Reis e... de Bolo-Rei!

Esta é a primeira semana de 2016 e por cá têm-se explorado diversos aspetos desta quadra.

Ficámos a saber quem foram os 3 Reis Magos através da narração da sua história desenhada em simultâneo, no quadro branco, pela educadora. 
Para as crianças, ver desenhar também pode ser divertido e motivador mas, acima de tudo, é a criatividade delas que dever ser estimulada e valorizada.

Cada criança pode depois desenhar os 3 Reis Magos, da forma que melhor entendeu [o registo das fotos ficou esquecido ;-) ]

Ontem, vimos a projeção da Lenda do Bolo-Rei 


e ficámos cheios de vontade de fazer também o nosso Bolo-Rei!

Então, hoje, deitamos mãos-à-obra!

Desfizemos o fermento em leite e farinha...
e deixamos 30 minutos a levedar.

Entretanto, fomos iniciando a outra massa (farinha, margarina, sal...)
Incorporamos a massa anterior, nesta
Acrescentamos ovos, açúcar,...
Os frutos secos e cristalizados
E a massa voltou a levedar por mais 2 horas!
Enquanto isso, tratamos de registar todo o processo - a receita do nosso Bolo-Rei!

Atenção! A massa já está pronta. O Gonçalo e Maria tratam de untar o tabuleiro
Agora, só falta dar forma ao bolo-rei [aquela que foi possível ;-) ] e levar ao forno
E, pronto, cá está o nosso Bolo-Rei, cheiroso e quentinho, pronto a ser provado!
Hum... que bom!
Só faltava mesmo chamar os amigos da sala 2 e toda a gente do jardim, para provar do bolo maravilha!

Donativo entregue! :)

A recolha de fundos que conseguimos através da venda de "Meninos Jesus" já foi depositada na conta da PLATAFORMA DE APOIO AOS REFUGIADOS! :-D


Foi com imenso entusiasmo que desenvolvemos este projeto em benefício dos refugiados mas que acabou também por beneficiar grandemente os nossos alunos na medida em que descobriram uma alegria especial - a alegria de DAR!

O Dr. Rui Marques, coordenador da PAR, quis-nos agradecer a iniciativa.

Deixamos, por isso, aqui, as suas palavras de apreço e reconhecimento:


É claro que nada conseguiríamos sem o apoio das famílias, comunidade e direção da AESAS.


A todos, um GRANDE OBRIGADO, do fundo do coração!


sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Feliz Ano Novo!